Encontre rapidamente o que procura:


  usando o Googl

This free script provided by JavaScript Kit

Piolhos e Lêndeas

Página Principal Doenças Medicamentos Dependências Lazer Cuidados Corporais Cuidados Alimentares Primeiros Socorros Vida e Saúde Medic Alternativos

 



Voltar

 

O piolho é um parasita que provoca uma infestação, de contágio muito fácil e desenvolvimento muito rápido, provocando dermatoses. Esta é provocada pela picada que o parasita faz para se alimentar do sangue. Os piolhos têm um voraz apetite e alimentam-se cada 3 horas do sangue do couro cabeludo, depois de injectar uma substância anestésica na pele. Rapidamente os piolhos atingem o estado adulto (cerca de 3mm) e as fêmeas começam a por os ovos.

As lêndeas são os ovos postos pela fêmea piolho e que ficam coladas ao cabelo com uma saliva produzida. Cada fêmea põe aproximadamente 10 lêndeas por dia, e 160 ao longo da vida.

A infestação chamada de pediculose não é uma situação grave, apesar de desagradável quer pelo aspecto, quer pela comichão que provoca. Deve tratar-se imediatamente.

Como se transmite?

Os piolhos transmitem-se por contágio directo (cabelo, barba, sobrancelhas), ou através de objectos pessoais: pentes, chapéus, almofadas, camisolas, barretes, cachecóis, etc.. A transmissão é mais fácil em escolas, infantários, colónias de férias ou entre familiares.

Sinais de alerta

Comichão na cabeça, principalmente na nuca e atrás das orelhas, e, por vezes, na fronte;
Aparecimento de crostas na cabeça e atrás das orelhas, provocadas pela picada do piolho e consequente coceira;
Presença de lêndeas esbranquiçadas presas ao cabelo.

Efeitos

Comichão provocada pela picada do piolho e feridas infectadas, no local da picada, provocadas pela coceira.

Como prevenir?

Vigiar com frequência a cabeça das crianças;
Lavar a cabeça com frequência;
Não usar roupa nem objectos de outras pessoas, que possam estar contaminados (podem sobreviver 36h sem se alimentarem);
Se sabe que está em contacto com pessoas infestadas deverá usar um repelente de piolhos.

Como tratar?

  1. Iniciar o tratamento logo que se detecte a infestação;
  2. Efectuar o tratamento com o produto adequado, de acordo com as informações do seu farmacêutico e do folheto informativo;
  3. Eliminar as lêndeas com um pente fino próprio;
  4. Lavar muito bem todos os objectos e roupa em contacto com o cabelo;
  5. Repetir o tratamento caso seja aconselhado.

Produtos para os piolhos existentes na farmácia:

Preventivos:
Fita preventiva repelente com óleos essenciais de lavanda, alecrim e cravinho;
Spray repelente com óleo essencial de Neem (Neem é um inseticida orgânico derivado da Azadirachta indica, uma árvore originária da Índia, nativa da região de Burna e das zonas áridas do sub-continente indiano e sudoeste asiático), tomilho e árvore do chá.
Champô preventivo com vinagre de Quassia amara (arbusto tropical com propriedades repelentes de insectos e inibidor da formação de quitina).
Para eliminar piolhos e lendeas:
Loção com óleo de coco e dimeticone (Polidimetilsiloxano -PDMS);
Champô ou spray com óleo mineral;
Loção com Oxyphthirine (o qual é baseado em triglicéridos e ésteres lipídicos);
Loção com ciclometicone e óleo de rícino.
Creme ou espuma com Permetrina a 1% (Insecticida);
Pente metálico para remoção dos piolhos;
Pente electrónico que funciona por electrocução;

Precauções:

O tratamento deve ser feito na mesma altura por todas as pessoas que tenham piolhos ou que vivem com quem está infestado.
Seguir à risca as indicações do farmacêutico e contidas no folheto.
Evitar que os produtos contactem com os olhos, boca ou nariz.
Lavar as mãos após cada aplicação.
Guardar os produtos anti-piolhos longe do alcance das crianças.

Segurança:

Grávidas, mulheres a amamentar e crianças até aos 2 anos não podem usar todo o tipo de produtos, pois pode ser prejudicial.

 

 

 

Doenças Infeciosas Doenças Crónicas Medicamentos Dependências Lazer
Hepatite
Meningite

Próstata 
SIDA
Vacinas
Varicela
Zona
Alergias
Asma
Calendário Polínico
Colesterol

Diabetes

Gota

Hipertensão

Osteoporose
Analgésicos
Antigripais
Cansaço

Vitaminas
Álcool
Drogas
Tabaco
Sol/Protectores
Viagens
Cuidados Corporais Dor e Febre Primeiros Socorros Vida e Saúde Medicamentos Alternativos
Cabelo
Caspa
Celulite
Pele Seca

Piolhos
Dor Dentes
Dor Garganta
Dor Menstrual
Dor Muscular
Febre
Emergências Animais domésticos
Auto-medicação

Bebé
Contraceptivos
Emagrecer
Impotência Sexual
Menopausa

Ressonar

Vacinas
Acupunctura
Chá
Fitoterapia
Homeopatia
Naturopatia
Osteopatia
Quiropráxia
Tisanas
Dermatologia Aparelho Digestivo Aparelho Respiratório Aparelho Genito-urinário Olhos e Ouvidos
Acne
Aftas
Calos
Dermatite
Diarreia

Frieiras
Hematomas
Herpes Labial
Micoses
Queimaduras
Varizes
Azia
Enjoos
Fígado e Vesícula
Flatulência
Hemorróidas
Lombrigas
Obstipação
Congestão Nasal
Constipação
Gripe

Tosse
Candidíase
Herpes Genital
Inf. Urinária
Olhos
Osteoporose
Ouvidos

Página da autoria de Laurentino Moreira (farmacêutico) - Última actualização em 17-Mar-2013