Saúde e Medicamentos

Saúde AnimalPerguntas/Respostas 

Meningite

O que é?

A meningite é uma inflamação das meninges, membranas que recobrem o encéfalo e a espinal medula. Pode ocorrer em consequência de infecção por qualquer agente patogénico, mas é predominantemente devida a doença invasiva causada por bactérias ou vírus. No seu estado mais avançado pode causar septicémia (infecção ou envenenamento do sangue).

Consequências

Mesmo com tratamento imediato, 10% das crianças com meningite C têm grande probabilidade de morrer. Aproximadamente uma em cada cinco crianças que sobrevivem à infecção acaba por sofrer de problemas graves, entre outras:

  • Surdez
  • Lesões nas meninges
  • Amputações
  • Danos cerebrais

A meningite C é particularmente perigosa, pois as vítimas podem adoecer gravemente, e até morrer, num período de apenas algumas horas após o aparecimento dos primeiros sintomas. Os primeiros sintomas da infecção podem assemelhar-se a simples sintomas de gripe.

Meningite bacteriana

A meningite bacteriana quando diagnosticada numa fase inicial e tratada rapidamente pode não originar sequelas para os doentes. Os dois tipos de meningite bacteriana atualmente mais comuns são:

  • Meningite meningocócica, causada por Neisseria meningitidis;
  • Meningite pneumocócica, caudada por Streptococcus pneumoniae.

Até há pouco tempo a meningite provocada por Hib (Haemophilus influenzae tipo b) era a mais frequente nas crianças até aos 4 anos. Este tipo de meningite é hoje bastante raro, facto que resulta da introdução no Programa Nacional de Vacinação (PNV) da vacina HibTiter.

 

Meningite vírica

A meningite vírica é mais comum do que a bacteriana e embora debilitante é de menor duração e raramente é causa de morte.

Quais os fatores de risco?

A maioria dos casos de infecção meningocócica ocorre como incidente isolado e esporádico. As comunidades fechadas (creches, lares, escolas, etc.) constituem um ambiente propício à transmissão da doença. O número de casos aumenta nos meses de Inverno, quando ocorre um aumento dos casos de doenças transmitidas por gotículas expiradas, como consequência direta da maior incidência de infecções respiratórias.

Como se transmite?

Cerca de 10% da população em geral e de 25% dos adolescentes, em particular os que vivem em comunidades fechadas são portadores da bactéria. Estes portadores possuem microorganismos meningocócicos no trato respiratório superior sem desenvolvimento da doença. raramente contraem infecção, mas quando isso acontece a doença pode progredir muito rapidamente. A transmissão faz-se por gotículas expiradas ou por contacto direto com secreções respiratórias<dos portadores assintomáticos e dos doentes.

Sinais e sintomas

 

MENINGITE MENINGITE SEPTICEMIA
Bebés Crianças e adultos  
Febre com mãos e pés frios; Mal estar, recusa de alimentos; Choro e irritabilidade;  Retração do pescoço com costas arqueadas; Sonolência e letargia; Expressão vazia; Pele pálida e manchada. Mal estar; Febre alta; Cefaleias intensas; Rigidez da nuca; Fotofobia; Sonolência; Falta de energia; Articulações dolorosas; Paroxismos. Rash- começa com aglomerado de picadas na pele; Múltiplas equimoses juntam-se para formar vastas áreas púrpuras de tecido lesionado descorado; Estado febril; Mãos e pés frios; Respiração ofegante; Letargia.

 

Qual o tratamento?

O tratamento da meningite bacteriana é realizado por intermédio de antibióticos que devem ser adequados ao tipo de microorganismo. O fator mais importante para o sucesso do tratamento é a prontidão do diagnóstico e o isolamento dos doentes. A meningite vírica não pode ser tratada com antibióticos. A recuperação é normalmente completa podendo persistir sintomas como as cefaleias, a prostação e a depressão.

Que medidas preventivas tomar?

A administração profilática de antibióticos aos membros da família dos doentes ou a indivíduos com contacto próximo dos doentes com meningite meningocócica e principalmente a vacinação.

Vacinação

A vacina que visa a prevenção das várias infecções pelo hemophilus é, segundo dados do Ministério da Saúde, de indiscutível eficácia. Faz-se habitualmente em 4 doses conjuntamente com a vacina tríplice, aos 2, 4 e 6 meses de idade e um reforço entre os 18 e 24 meses. Neste momento existem também vacinas cujo objetivo é a proteção contra doenças infecciosas provocadas pelo meningococos e pelo pneumococos.

Voltar

Doenças Infeciosas
Hepatite
Meningite
SIDA
Vacinas
Varicela
Zona




 
Cuidados Corporais
Cabelo
Caspa
Celulite
Pele Seca
Piolhos
Queda de cabelo


 
Dermatologia
Acne
Afta
Calos
Dermatite
Diarreia
Frieiras
Hematomas
Herpes Labial
Micoses
Queimaduras
Varizes

Página da autoria de Laurentino Moreira (farmacêutico) - Última atualização em 17-Ago-2015