Saúde e Medicamentos

 

 

Encontre rapidamente o que procura:


  usando o Googl

This free script provided by JavaScript Kit

Doenças Medicamentos Dependências Lazer Cuidados Corporais Cuidados Alimentares Primeiros Socorros Vida e Saúde Medic. Alternativos



Página Principal Voltar Acessórios de Bebé

Alimentação do Bebé

Alimentação nos primeiros meses de vida

Durante os primeiros meses de vida, o leite materno é o alimento de eleição. Além de fonte de nutrientes, é fonte de compostos que reforçam o sistema imunitário, protegendo contra agressões exteriores, como alergias e infecções.

Mas nem sempre é possível amamentar, quer porque a mãe não tem possibilidade de o fazer, quer porque o leite não é suficiente para as necessidades nutricionais do bebé. Nestes casos, há que recorrer a alternativas para alimentar o bebé que são os leites e fórmulas infantis, cujas características se aproximam às do leite materno.

Porque o leite materno não é sempre igual ao longo do período de amamentação, os leites infantis têm composições diferentes ao longo das diferentes etapas de crescimento:

  1. Leites para lactentes: Desde o nascimento até aos 4/6 meses, têm uma composição próxima do leite materno;

  2. Leites de transição: Dos 4 aos 12 meses, são mais ricos em ferro, vitaminas e têm maltodextrina ou amido para aumentar a saciedade;

  3. Leites de crescimento: Dos 12 meses aos 3 anos, têm um sabor mais agradável e são mais saciantes.

Na composição dos leites entram proteínas, lípidos, hidratos de carbono, vitaminas e sais minerais. Na maioria das fórmulas actuais entram outros elementos que os aproximam mais do leite materno:

  • Ácidos gordos polinsaturados de cadeia longa (LCPUFAs) - para o neurodesenvolvimento:

    • Ácido araquidónico (AA ou Ómega 6);

    • Ácido docosahexanóico (DHA ou Ómega 3);

  • Nucleótidos - para a resposta imunitária;

  • Pré e probióticos - para constituição da flora intestinal e defesas.

O leite de vaca não é recomendável antes dos 12 meses. Este leite tem maior teor protéico e 20 vezes menos ferro do que o leite materno, assim como menos vitaminas. Nesta fase, o leite de vaca pode causar sobrecarga renal.

Leites para lactentes e de transição

O leite de vaca é a fonte de proteínas destes leites que sofrem alterações consoante certas indicações particulares:

  • Leites Hipoalergénicos: As proteínas do leite de vaca têm peso molecular elevado e, por isso, são hidrolisadas de modo a reduzir o risco de alergia. Dentro destes existem:

    • Parcialmente hidrolisados: Para situações de prevenção de possível alergia. Não estão indicados quando há alergia declarada às proteínas do leite de vaca;

    • Extensamente hidrolisados: Quando está diagnosticada a alergia (Leite com fins medicinais específicos);
      As grandes desvantagens destes leites são o mau sabor e o baixo poder saciante.

  • Leites Anti-obstipantes: A fórmula do leite facilita o esvaziamento gástrico, estimula a motilidade intestinal e o amolecimento das fezes;

  • Leites Anti-cólicas: Possuem um teor de lactose reduzido para minimizar a formação de gases causadores de cólicas. Estão indicados em lactentes com insuficiência parcial de lactase, a enzima responsável pela digestão da lactose;

  • Leites Saciantes: A fórmula rica em amido de milho, maltodextrinas e triglicéridos de cadeia longa proporciona uma absorção e digestão mais lentas para dar sensação de estômago cheio;

  • Leites Anti-desconforto digestivo: As proteínas são parcialmente hidrolisadas para facilitar a digestão, o teor de lactose é reduzido e substituído por maltodextrinas para menor fermentação e maior viscosidade e menor ingestão de ar e são adicionados prebióticos para favorecer a flora intestinal. São indicados para bebés com imaturidade digestiva com sintomas de gases, cólicas e obstipação.

 Fórmulas infantis para fins medicinais específicos

Em certas situações específicas e diagnosticadas pelo médico pediatra é necessário recorrer a leites medicinais específicos, de venda exclusiva em farmácias:

  • Leites de Soja: São indicadas nos casos de intolerância ou alergia às proteínas do leite de vaca, quando há alergia aos leites extensamente hidrolisados;

  • Leites sem Lactose: Nos casos em que há falta da lactase,  enzima que metaboliza a lactose e após diarreias e gastroenterites agudas;

  • Leites Anti-regurgitantes: Quando o refluxo gastroesofágico (bolsar) em excesso leva a uma perda excessiva de nutrientes. Estes leites são mais espessos tornando o conteúdo gástrico mais viscoso;

  • Leites para Prematuros: Têm um teor protéico mais elevado, ácidos gordos em maior concentração e a lactose é substituída por glucose por forma a satisfazer as necessidades e melhorar a absorção;

  • Dietas semi-elementares: Para situações de má absorção grave;

  • Dietas elementares: Quando é necessária uma absorção rápida e eficaz e com um mínimo e absorção.

 

 

Cuidados a ter na preparação dos biberões

  • Esterilizar biberões, tetinas, colheres e copos de medida;

  • Adicionar à medida correta de água fervida (mas não muito quente) a medida exata de pó segundo as instruções;

  • Não reutilizar sobras do biberão anterior;

  • Os biberões preparados com antecedência devem ser guardados no frigorífico e aquecidos na hora;

  • Preferencialmente, os leites devem ser preparados na hora, bastando, para isso, ter um termo com água quente;

  • Ao aquecer no microondas deve-se ter o cuidado de homogeneizar o conteúdo, pois pode ter diferenças de temperatura;

  • Verificar sempre a temperatura do leite antes de dar ao bebé;

 


Alimentação a partir do 4-6 mês

À medida que o bebé cresce é importante iniciar, a pouco e pouco, a introdução de novos alimentos, por motivos nutricionais e de desenvolvimento do bebé.

Se o bebé está a ser alimentado com fórmulas infantis a diversificação alimentar deve começar entre os 4 e os 6 meses. No caso se ser alimentado exclusivamente com leite materno ou houver problemas de alergia deve-se esperar pelos 6 meses.

  • A partir dos 4-6 meses a maturidade das funções gastrointestinais, renais e metabólicas já permitem a digestão de novos alimentos;

  • Devido à elevada permeabilidade intestinal antes dessa idade, o risco de reação alérgica é maior;

  • Nesta idade, o bebé já segura a cabeça, consegue ficar sentado e imita os movimentos dos pais ao comer;

  • Os músculos do tubo digestivo estão mais fortes e o estômago mais volumoso para suportar alimentos sólidos;

  • Antes dessa idade o bebé não é capaz de digerir adequadamente os alimentos, podendo originar vómitos e diarreia;

  • O bebé precisa de certa coordenação motora que permita engolir, mastigar e não se engasgar;

  • Antes dos 4 meses o risco de se engasgar é maior;

  • Até aos 4 meses o bebé tem o reflexo de empurrar a língua contra a colher, expulsando os alimentos para fora da boca;

  • A introdução de novos alimentos não lácteos estimula a alteração das enzimas digestivas e outras funções digestivas.

 

Qual o momento certo para introduzir alimentos sólidos?
  • O bebé segura a cabeça sem dificuldade;
  • O bebé mantém-se sentado;
  • O bebé mostra interesse quando os pais estão a comer.

Como iniciar?

As refeições devem ser simples e em pequenas quantidades de cada vez. Deve-se usar uma colher adequada para introduzir os alimentos bem dentro da boca e ajudar a engolir. Os ingredientes devem ser adicionados à razão de um por semana para que o bebé se habitue ao novo sabor e se possam detectar possíveis intolerâncias ou alergias alimentares. No início, os alimentos devem ser muito cremosos. Progressivamente, a consistência deve ser aumentada, até que a partir dos 10 meses apareçam pequenos grânulos para que o bebé comece a treinar a mastigação.

Pode-se começar com papas de cereais sem glúten ou por sopas de legumes. No início, devem-se evitar alguns legumes como:

  • Leguminosas - podem causar flatulência;

  • Tomate, pimentos e pepino - por serem ácidos;

  • Espinafres e beterraba - por conterem nitratos.

Depois de cozidos, deve-se adicionar um fio de azeite sem ferver de modo a manter inalterada os ácidos gordos polinsaturados. Não se deve adicionar sal por ser uma sobrecarrega renal no primeiro ano de vida e contribuir para o aparecimento de hipertensão mais tarde.

Entre as refeições (2 horas depois ou 30 minutos antes) deve-se dar água, que se deve ferver e arrefecer antes de dar ao bebé.

Não se deve dar leite em complemento da refeição sólida.

A fruta entra, também, na alimentação do bebé nesta fase. Esta deve ser dada crua e começa-se por: pêra, maçã e banana, que são mais facilmente aceites pelo bebé e não causam alergias. Frutas como citrinos, ananás e morangos só devem ser introduzidos por indicação do médico, pois, estão associadas frequentemente a alergias.

A carne, por ser rica em proteínas e ferro é, também, introduzida nesta fase. São necessários 20g por dia de carne limpa de gorduras, que, depois de cozida, é triturada juntamente com os legumes. 90% das necessidades de ferro são obtidos a partir dos alimentos sólidos.

Após os 6 meses, é introduzido o peixe e os ovos na alimentação. Estes são alimentos que podem causar alergias, por isso são introduzidos mais tarde. As necessidades de peixe são de 30g diários e deve-se começar com peixes magros.

A alimentação deve ser diversificada e para tal deve-se alternar carne peixe ou ovo.

A partir dos 6 meses pode-se, também, introduzir as papas com glúten. A introdução do glúten antes dos 4 meses e depois dos 7 deve ser evitada. A introdução gradual do glúten enquanto está a amamentar pode reduzir o risco de doença celíaca, de diabetes mellitus tipo 1 e de alergia ao trigo.

Alimento 0-4 meses 4-6 meses 6-9 meses 9-12 meses
Leite materno ou fórmula para lactentes x x x x
Cereais sem glúten   x    
Papa de legumes   x x x
Carne   x x x
Fruta   x x x
Cereais com glúten     x x
Peixe e ovos     x x

O leite é um alimento que deve ser mantido, mesmo numa alimentação diversificada. São necessários pelo menos 500ml de leite por dia. Podendo ser dado sob a forma de papas, iogurtes, queijos, etc. O leite de vaca não deve ser dado antes de um ano de vida, pois é pobre em ferro, vitaminas e ácido linoleico, que são essenciais para o crescimento do bebé e há maior risco de intolerância.

Quando introduzido o leite de vaca, este deve ser gordo ou meio gordo por ser mais rico em vitaminas essenciais.

A partir do ano de vida, a alimentação deve ser igual à familiar desde que seja saudável:

  • Consumir legumes e frutas em abundância;

  • Carnes magras e peixe;

  • Leite e derivados;

  • Azeite e gorduras vegetais;

  • Cozidos, grelhados e estufados;

  • Pouco sal;

  • Poucas gorduras;

  • Evitar doces, sobretudo fora das refeições;

  • Fazer 5 refeições por dia;

  • Não comer doses demasiado grandes, pois promovem o aumento do estômago e o excesso de peso.

 

 


 

Doenças Infecciosas Doenças Crónicas Medicamentos Dependências Lazer
Hepatite
Meningite
SIDA
Vacinas
Varicela
Zona
Alergias
Asma
Calendário Polínico
Colesterol
Diabetes
Gota
Hipertensão
Osteoporose
Próstata 
Analgésicos
Antigripais
Cansaço
Vitaminas
Álcool
Drogas
Tabaco
Repelentes de Insetos
Sol/Protetores
Viagens
Cuidados Corporais Dor e Febre Primeiros Socorros Vida e Saúde Medicamentos Alternativos
Cabelo
Caspa
Celulite
Pele Seca
Piolhos
Queda de cabelo
Dor Dentes
Dor Garganta
Dor Menstrual
Dor Muscular
Febre
Emergências
Envenenamentos
Picadas de Animais
Animais domésticos
Auto-medicação
Bebé
Contraceptivos
Emagrecer
Impotência Sexual
Menopausa
Vacinas
Acupuntura
Chá
Fitoterapia
Homeopatia
Naturopatia
Osteopatia
Quiropráxia
Tisanas
Dermatologia Aparelho Digestivo Aparelho Respiratório Aparelho Genito-urinário Olhos e Ouvidos
Acne
Afta
Calos
Dermatite
Diarreia
Frieiras
Hematomas
Herpes Labial
Micoses
Queimaduras
Varizes
Azia
Enjoos
Fígado e Vesícula
Flatulência
Hemorróidas
Lombrigas
Obstipação
Congestão Nasal
Constipação
Gripe
Ressonar
Tosse
Candidíase
Herpes Genital
Inf. Urinária
Olhos
Ouvidos

Página da autoria de Laurentino Moreira (farmacêutico) - Última atualização em 18-Set-2014