Saúde e Medicamentos

 

 

Antigripais

 

Medicamentos Antigripais

Os medicamentos antigripais (orais) são combinações de vários medicamentos com ação analgésica, antipirética, descongestionante nasal,  anti-histamínica e antitússica, que aliviam temporariamente os sintomas das constipações e gripes, enquanto o organismo combate a infecção.

Analgésicos antipiréticos e anti-inflamatórios

Estão indicados no alívio das cefaleias (dores de cabeça), mialgias (dores do corpo) e febre.

Descongestionantes nasais:

  • Cloridrato de fenilpropanolamina
  • Sulfato de pseudoefedrina, etc.

Têm uma ação vasoconstritora a nível nasal, reduzindo o edema nasal, o que facilita a drenagem e ventilação local, diminuindo a sensação de "nariz entupido".

Como o seu efeito não se limita ao nariz, estão contra-indicados em doentes sob terapêutica anti-depressiva com IMAOs (Moclobemide-Aurorix*) por haver risco de crise hipertensiva. Também nos doentes com hipertensão, arritmias cardíacas e diabéticos a terapêutica deve ser vigiada por poder agravar o problema.

Anti-histamínicos:

  • Maleato de dexbromofeniramina
  • Maleato de clorfeniramina
  • Hidrogenomaleato de bromofeniramina, etc.

Bloqueiam os receptores da histamina, sendo responsáveis pelo controlo da rinite alérgica. Reduzem, portanto, o corrimento nasal, a irritação dos olhos e os espirros.

Têm uma forte ação sedativa (dão sonolência), pelo que as pessoas que manuseiam máquinas devem ter cuidado.

Potenciam o efeito do álcool, hipnóticos, sedativos e tranquilizantes. São contra-indicados em indivíduos com hipertrofia da próstata, prisão de ventre, glaucoma de ângulo fechado e crianças convulsivas por poder agravar a situação.

Antitússicos:

  • Codeína
  • Bromidrato de Dextrometorfano

São  antitússicos de ação central que atuam a nível do centro da tosse. Atuam  na tosse seca não  produtiva. Entram na composição de alguns antigripais, embora o seu uso seja discutível por não trazerem qualquer ação benéfica para alívio dos sintomas da gripe e por entrarem nessas formulações em doses subterapêuticas.

 

Descongestionantes nasais

O que são

São medicamentos que se apresentam sobre a forma de gotas, sprays ou geles que contêm aminas simpaticomiméticas cuja ação é de provocar vasoconstrição e diminuição do fluxo sanguíneo na área nasal, provocando assim  a redução do edema que facilita a drenagem e aumento da ventilação.

Têm na sua composição:

  • Cloridrato de Fenilefrina
  • Cloridrato de Tramazolina
  • Cloridrato de Oximetazolina

Para que servem

São usados para um alívio imediato da congestão nasal.

Como tomar

Dependendo da composição a posologia varia de 2-3 gotas 4/4 horas até 12/12 horas. Nos adultos é preferível o uso de sprays, pois permite atingir maior zona da mucosa do nariz sem que haja o risco de deglutição e portanto efeito a nível da garganta ou mesmo sistémico, o que seria prejudicial.

Não deve tomar

Não deve ser usado por longos períodos. A maioria não deve ser administrado em crianças com menos de 6 anos, excepto a Oximetazolina em dose baixas.

Efeitos indesejáveis

Quando usado por longos períodos  pode agravar a congestão devido a uma reação do organismo à vasoconstrição permanente  e irritação provocada pelo medicamento. É a chamada "rinite medicamentosa".

 

 

Medicamentos para dores de garganta

A garganta irritada pode ser um sintoma mais sério, sobretudo quando isolado. Quando a sintomatologia está associada a outros sintomas da constipação o uso de medicamentos que aliviam a garganta irritada poderão ser benéficos.

O que são

São medicamentos que se destinam ao alivio dos sintomas de garganta dorida e irritada que acompanha vulgarmente as constipações.

Os medicamentos para aplicação na garganta apresentam-se sob a forma de pastilhas, elixires e sprays.

Sendo a maioria das infecções de origem viral os produtos mais eficazes são aqueles que contêm anestésicos locais. As substâncias antimicrobianas previnem até certo grau o agravamento da infecção para uma de origem bacteriana.

Composição

Antibióticos: Tirotricina
Gramicidina
Fusafungina
Desinfetantes tópicos: Benzidamina
Clorohexidina
Hexetidina
Iodopovidona
Compostos de Amónio quaternário: Cloreto de dequalínio
Cloreto de cetilpiridínio
Cloreto de benzotónio
Domifénio
Álcoois: Álcool diclorobenzílico
Clorobutanol
Anestésicos locais: Cloreto de oxibuprocaína
Cloridrato de benzocaína
Tetracaína
Óleos essenciais:  Mentol, Eucaliptol, Timol, Terpinol

Alguns desinfetantes têm propriedades anti-inflamatórias e analgésicas como a benzidamina. A hexetidina é também antifúngica, cicatrizante, hemostática e anestésica.

Os compostos de amónio quaternário e os álcoois têm além da ação desinfetante um certo efeito analgésico.

Os anestésicos locais produzem perda reversível da sensação dolorosa por diminuição dos impulsos nervosos próximo do local de aplicação.

A sensação de frescura dada pelos óleos essenciais ajudam também no alívio da dor.

A composição é geralmente muito complexa pois verifica-se que há um efeito sinérgico (por ex.: a associação de vários antibióticos aumenta o efeito).

Para que servem

São usados para o tratamento e alívio dos sintomas de Faringites, Amigdalites, Laringites, Estomatites, Gengivites e Aftas e cuidados pré e pós operatórios.

Como tomar

Dependendo da forma farmacêutica a posologia média é chupar uma pastilha de 3 em 3 horas ou gargarejar/bochechar 2 a 3 vezes ao dia na forma pura ou diluída.

Não deve tomar

Não devem ser usado por longos períodos, pois pode levar ao desequilíbrio da flora microbiana normal da cavidade oral e levar ao aparecimento de infecções oportunistas

Os anestésicos locais, assim como a iodopovidona não devem ser usados no início da gravidez ou em caso de alergia a estes produtos.

Efeitos indesejáveis

O uso excessivo de pastilhas contendo anestésicos locais poderá levar ao aparecimento de efeitos sistémicos (afetando o S.N.C. o que leva a convulsões e depressão do sistema cardiovascular)

A benzidamina e a clorhexidina dão sensação de ardor e edema local.

O uso excessivo pode levar a alterações do paladar.

 

Antitússicos

 
 

O que são

São medicamentos em xarope, comprimidos, cápsulas ou pastilhas que têm como função reduzir a tosse. Dependendo do tipo e tosse: aguda ou crónica, seca ou produtiva, assim se usa um antitússico puro ou um expectorante.

Antitússicos de ação central

Estupefacientes:

  • Codeína (Não é medicamento de venda livre)

Não Estupefacientes:

  • Bromidrato de Dextrometorfano
  • Butiramato
  • Cloridrato de Clobutinol
  • Dibunato de Sódio
  • Cloridrato de Difenidramina  (Anti-histamínico)

Para que servem

Atuam no cérebro no centro da tosse reduzindo os impulsos nervosos que originam a tosse.

Como tomar

 Bromidrato de Dextrometorfano: Adultos e crianças com mais de 12 anos devem tomar 30mg 3 vezes ao dia.

Butiramato: Dose varia de 1mg a 6mg 3-4 vezes ao dia dependendo da idade.

Cloridrato de Clobutinol: Crianças entre os 3 e os 12 anos tomam 20mg 3 vezes ao dia e os adultos 40mg 3 vezes ao dia.

Dibunato de Sódio: A dose é de 5mg a 30mg 3-4 vezes ao dia.

Cloridrato de Difenidramina: As crianças tomam 7mg a 14mg 4-5 vezes por dia e os adultos 28mg 4 vezes por dia.

Não deve tomar

Doentes asmáticos, com doença pulmonar crónica (ex.: bronquite) ou  doentes debilitados não devem tomar dextrometorfano. 

O clobutinol está contra-indicado em doentes epilépticos.

Os anti-histamínicos  são contra-indicados em doentes com glaucoma de ângulo fechado , hipertrofia  da próstata e doentes cardíacos.

Efeitos indesejáveis

O dextrometorfano pode provocar broncoconstrição.

Os anti-histamínicos têm numerosos efeitos secundários: Secura dos olhos, boca e nariz; retenção urinária; obstipação; visão turva; arritmia; irritabilidade em dose elevadas; sedação e sonolência; diminuição dos reflexos; tonturas e impotência.

Antitússicos de ação periférica

Têm uma ação anestésica ou analgésica sobre as terminações nervosas bronquicas onde tem inicio o reflexo da tosse.

Demulcentes:

Têm um mecanismo de ação puramente mecânico através da formação de uma fina camada sobre a mucosa faríngea irritada.

Ex.: Mel, limão, glicerol, essências, gomas e mucilagens.

Antitússicos Expectorantes

Expectorantes de ação direta:

  • Essências balsâmicas:
    • Eucaliptol
    • Mentol
    • Cânfora
    • Limão
    • Pinheiro
    • Hortelâ-pimenta...

Expectorantes de ação reflexa:

  • Sais de amónio
  • Benzoato  e Citrato de Sódio
  • Guaiafenasina (Guaiaculato de glicerilo)
  • Sulfaguaiacol
  • Ipecacuanha

Mucolíticos:

  • Acetilcisteína
  • Carbocisteína
  • Ciclidrol
  • Sobrerol
  • Bromexina
  • Ambroxol

Para que servem

O Expectorantes facilitam a produção e eliminação de secreções brônquicas estimulando os movimentos de eliminação como o movimento ciliar. Atuam por ação direta na secreção de muco ou indireta por irritação gastrointestinal.

Os Mucolíticos rompem as ligações sulfuradas das mucoproteínas da expectoração, reduzindo a viscosidade das secreções. Aumentam os movimentos ciliares e as secreções facilitando a remoção destas.

Como tomar

Os expectorantes existem no mercado português em formulações contendo vários fármacos expectorantes e antitússicos,  variando a sua dose com o número de expectorantes contidos na fórmula.

  • Acetilcisteína: 
    Nas crianças a dose é de 200-400mg repartido em  2 tomas; Nos adultos a dose é de 600mg em toma única ao deitar ou em 3 tomas depois das refeições.
  • Carbocisteína: 
    Em crianças a dose varia de 5 a 10mg 2 a 3 vezes ao dia dependendo da idade; Em adultos a dose é de 75mg 3 vezes ao dia depois das refeições.
  • Ciclidrol:
    A dose é de 40-80mg 2 vezes ao dia em crianças e 200mg 2 vezes ao dia em adultos.
  • Sobrerol: 
    A dose para adultos é de 180mg repartida em 2 ou 3 tomas. A crianças devem tomar 80mg repartidos em duas tomas e os lactentes 20mg 2 vezes ao dia.
  • Bromexina:
    Em adultos a dose é de 8mg 3 vezes por dia. Crianças com menos de 10 anos tomam uma dose que varia desde 1mg 3 vezes ao dia até 4mg 4 vezes ao dia consoante a idade.
  • Ambroxol: 
    Crianças com menos de 12 anos tomam uma dose que varia de 15mg a 30mg 2 ou 3 vezes por dia. Os adultos tomam uma dose de 60mg 2 vezes ao dia.

Não deve tomar

Os expectorantes são contra-indicados em doentes com doença gástrica, crianças com idade inferior a 2 anos por não saberem eliminar as secreções, em idosos, acamados e gravidez pois aumentam a contração da musculatura lisa.

Os mucolíticos são contra-indicados em doentes com úlcera péptica, na gravidez e aleitamento. A acetilcisteína  pode desencadear uma crise em asmáticos.

Efeitos indesejáveis

Os  efeitos secundários são raros e são na maioria das vezes gastrointestinais (dispepsia, náuseas, vómitos, diarreia). Ocasionalmente  poderão acontecer reações alérgicas severas.

 

 

Doenças Infecciosas Doenças Crónicas Medicamentos Dependências Lazer
Hepatite
Meningite
SIDA
Vacinas
Varicela
Zona
Alergias
Asma
Calendário Polínico
Colesterol
Diabetes
Gota
Hipertensão
Osteoporose
Próstata 
Analgésicos
Antigripais
Cansaço
Vitaminas
Álcool
Drogas
Tabaco
Repelentes de Insetos
Sol/Protetores
Viagens
Cuidados Corporais Dor e Febre Primeiros Socorros Vida e Saúde Medicamentos Alternativos
Cabelo
Caspa
Celulite
Pele Seca
Piolhos
Queda de cabelo
Dor Dentes
Dor Garganta
Dor Menstrual
Dor Muscular
Febre
Emergências
Envenenamentos
Picadas de Animais
Animais domésticos
Auto-medicação
Bebé
Contraceptivos
Emagrecer
Impotência Sexual
Menopausa
Vacinas
Acupuntura
Chá
Fitoterapia
Homeopatia
Naturopatia
Osteopatia
Quiropráxia
Tisanas
Dermatologia Aparelho Digestivo Aparelho Respiratório Aparelho Genito-urinário Olhos e Ouvidos
Acne
Afta
Calos
Dermatite
Diarreia
Frieiras
Hematomas
Herpes Labial
Micoses
Queimaduras
Varizes
Azia
Enjoos
Fígado e Vesícula
Flatulência
Hemorróidas
Lombrigas
Obstipação
Congestão Nasal
Constipação
Gripe
Ressonar
Tosse
Candidíase
Herpes Genital
Inf. Urinária
Olhos
Ouvidos

Página da autoria de Laurentino Moreira (farmacêutico) - Última atualização em 15-Nov-2014