Saúde e Medicamentos

Saúde AnimalPerguntas/Respostas 

Anel Vaginal

O que é o anel vaginal hormonal?

É um contraceptivo hormonal para uso vaginal.

Como é constituído o anel vaginal?

O anel vaginal é constituído por anel flexível impregnado de hormonas que são lentamente libertadas e absorvidas para a corrente sanguínea

Como funciona?

O anel liberta dois tipos de hormonas de uma forma contínua que são absorvidas para a corrente sanguínea. As hormonas libertadas evitam que se liberte os óvulos dos ovários e assim se dê a fecundação.

Composição:
  • etinilestradiol  (estrogénio)
  • etenogestrel (progestativo)
Efeitos secundários:

Não é normal acontecerem efeitos secundários, mas poderá dar náuseas, vómitos ou hemorragia vaginal.

Contra-indicações:
  • Problemas de trombose venosa (varizes), no coração ou AVC (acidente vascular cerebral) ou historial familiar;
  • Epilepsia;
  • Tensão elevada;
  • Diabetes Mellitus;
  • Excesso de peso;
  • Problemas hepáticos graves;
  • Cancro da mama ou genital porque são dependentes de hormonas;
  • Doença que afete o sistema imunitário
  • Se está a amamentar
Interações:

Alguns medicamentos podem diminuir o efeito do contraceptivo. É o caso de medicamentos para o tratamento da epilepsia, tuberculose, infecções por HIV, alguns antibióticos e o Hipericão.

Como aplicar o anel vaginal?

O anel é aplicado na vagina pela própria pessoa e deverá permanecer lá durante 3 semanas consecutivas.

  • Com as mãos bem lavadas o anel é colocado na vagina na posição que for mais confortável e empurrado profundamente até não sentir qualquer desconforto.
  • Passadas 3 semanas e no mesmo dia em que foi colocado o anel deverá ser retirado e colocado na saqueta original para depois ser entregue na farmácia juntamente com outros resíduos de medicamentos para posterior destruição em local próprio.
  • Segue-se um intervalo de uma semana.
  • Durante este período surge uma hemorragia de privação.
  • Após a semana de descanso um novo anel deverá ser colocado à mesma hora e no mesmo dia da semana.
Quando começar a aplicar?

Se não está a usar um outro método hormonal o anel deverá ser colocado durante o período menstrual. Durante o primeiro mês deverá haver precauções extra para não engravidar.

Se já usava um método hormonal combinado (pílula com estrogénio e progestagénio) deverá aplicar o anel no dia em que começaria a tomar uma nova embalagem.

Se usava um método hormonal contendo apenas progestagénio a aplicação deverá ser feita no dia seguinte a parar de tomar a pílula.

Acidentes:

Se o anel saiu acidentalmente da vagina ele poderá ser colocado novamente depois de lavado com água morna. Mas se esteve mais de 3 horas fora da vagina a eficácia poderá estar afetada e neste caso será recomendável usar um outro método de contracepção barreia (preservativo), especialmente se o facto se deu na primeira semana.

Se houve esquecimento de colocar o anel na vagina após o intervalo de 7 dias, ele deverá ser colocado o mais depressa possível e observar medidas de precaução (uso de preservativo) na primeira semana.

Se houve esquecimento de tirar o anel no dia certo a eficácia mantém-se. Deverá retirar-se o anel e fazer o descanso normal de uma semana.

Vantagens:

Os perigos de esquecimento de tomas são minimizados, uma vez que só há que trocar uma vez por mês.

Resumo das características:

Frequência 1 anel colocado durante 3 semanas consecutivas e 1 semana de descanso
Modo de ação Inibição da ovulação
Eficácia >99%
Retorno à fertilidade Rápido após paragem do método contraceptivo
Características Aplicação mensal, discreto, absorção não afetada por vómitos ou diarreia, sem efeito de 1ª passagem pelo fígado, níveis hormonais constantes e baixos, sem interação com antibióticos e outros medicamentos
Reações adversas mais comuns Dores de cabeça, náuseas, aumento de peso (retenção de líquidos), alterações do humor, dores mamárias
Importante Padrão de hemorragia menstrual regular e previsível,  sem necessidade de lembrar diariamente, maior incidência de sintomas vaginais ou relacionados com o anel, mínima percepção durante a relação sexual e a vida quotidiana
Amamentação Não deve ser usado
Proteção contra DST e HIV Não protege
Via de administração Vaginal

Voltar

Doenças Infeciosas
Hepatite
Meningite
SIDA
Vacinas
Varicela
Zona




Cuidados Corporais
Cabelo
Caspa
Celulite
Pele Seca
Piolhos
Queda de cabelo


Dermatologia
Acne
Afta
Calos
Dermatite
Diarreia
Frieiras
Hematomas
Herpes Labial
Micoses
Queimaduras
Varizes

Página da autoria de Laurentino Moreira (farmacêutico) - Última atualização em 08-out-2015